Entrevista Leonardo Kenji Shikida - De blogueiro para blogueiro*

terça-feira, 25 de dezembro de 2012


O espaço da gaita na internet ainda não foi totalmente consolidado. Com a popularização da internet no fim da década de 90, o fórum Gaita-L surgiu como uma alternativa para os tímidos internautas gaitistas. Um de seus usuários era bastante participativo e teve a iniciativa de criar um blog destinado apenas para a gaita. Foi assim que o analista de sistemas carioca, Leonardo Kenji Shikida, 37 anos, que se mudou para Belo Horizonte em sua infância, manteve gaitistas de todo o país antenados sobre lançamentos e curiosidades do mundo das harmônicas com o blog Gaita-BH. Os últimos dez anos foram dedicados por ele e seus parceiros (Bresslau, Rodrigo e Clara Machado) para manterem o blog sempre atualizado, o que garantiu várias amizades e um grande banco de dados para a gaita no país.

Quando surgiu a ideia de começar o blog?
Leonardo Kenji - Abri meu blog pessoal em 1999. Mudei de provedor em 2001 e não parei mais, embora tenha diminuído bastante o ritmo. No começo, o pessoal era muito carente de informação, então todo mundo tentava compartilhar como dava, meu blog foi na mesma linha. Quando vi que tinha post demais de gaita no meu blog pessoal, abri um blog de gaita para não misturar as coisas. Hoje em dia, eu e o Bresslau postamos alguma coisa de vez em quando no Gaita-BH, mas é raro. Acho que os blogs estão menos ágeis que os Twitters e os Facebooks da vida.

Você se tornou bastante influente no meio da gaita. Como isso ocorreu? 
LK - Eu tinha muito tempo livre e muita paciência pra responder as mesmas perguntas de todos os iniciantes que surgiam no Gaita-L, até porque, muito além disso eu nem tinha muito conhecimento para ajudar. Acho que isso acabou ajudando. Essa coisa da influência é engraçada, porque eu fiz muitos amigos, mas não acho que eu era influente. Talvez eu passasse certa credibilidade porque eu não era nem músico profissional (para defender o próprio trabalho) ou endorser (para defender uma marca). E eu tinha a impressão que a gaita era mal divulgada e que se eu divulgasse, seria bom para os gaitistas. Talvez, por ter pouca gente familiarizada com a web na época, eu tenha me destacado um pouco. Mas acho que hoje em dia, com os blogueiros profissionais e as redes sociais, que todo mundo sabe usar muito bem, para se destacar, a pessoa tem que fazer muito mais do que eu precisei na minha época. Uma coisa que ajudou bastante foram os vários CDs do Gaita-L, que eu ajudei a organizar por quase 10 anos (um por ano). Era divertido porque ele era uma desculpa para rolar um show com palco aberto para a galera dar uma canja. Se você quer deixar gaitistas felizes, arrume uma boa banda de blues, faça uma lista de músicas com o tom da gaita na segunda posição, arrume cerveja e abra o palco. A galera se diverte muito, vale a pena.

Como anda o cenário da gaita em BH?
LK - Se você for a qualquer lugar do Brasil, vai encontrar pessoas reclamando do cenário, seja porque tem pouco músico, ou porque tem panela, ou porque tem pouco show, ou porque o pessoal não valoriza, etc. O fato é que não dá pra comparar a gaita com o Michel Teló. Nunca foi um instrumento predominante e a vida de músico é muito sofrida. Agora, com o torrent e o Youtube, deve estar ainda mais sofrida. Ou não, há quem saiba aproveitar. Aqui em BH, existe um cenário, que já algum tempo eu não acompanho como fazia antigamente. Sempre tem gente boa aparecendo, fazendo bandas, inovando com novos trabalhos, etc. Mas é assim: são 10 anos e surgem um ou dois novos gaitistas que realmente engatam em trabalhos sérios e consistentes. Não é um cenário muito variado, mas você certamente sempre vai ter um bom show para ir quase toda semana. Isto é o suficiente para muita gente. Mas eu sinto falta dos gaitistas internacionais virem nos visitar. Tradicionalmente, é necessário ir para SP para conferir as atrações internacionais trazidas pelo Chico Blues e pelo Flávio Guimarães, que estão sempre salvando a nossa pele.

* Parte integrante de uma grande reportagem sobre gaita redigida para a disciplina de Redação Jornalística II para a UEMG, onde curso o segundo período de Comunicação Social.
Vale ressaltar que possivelmente só criei meu blog por sempre seguir o blog do Kenji. O Gaita-BH serviu como grande inspiração para o Gaita e Poesia, que no começo só servia para postagens pessoais que nada falavam sobre gaita.


0 comentários:

 
◄ Design by Pocket